Notícias


Yamasa Domingo, 15 de abril de 2018

Yamasa é destaque em reportagem sobre automação em granjas

Matéria publicada na 63ª edição da Revista do Sindiavipar (PR) destaca a trajetória da empresa e sua dedicação ao setor de ovos férteis, com a Linha YHD.

 

Nelson Yamasaki: trabalho

O mercado de ovos e a busca pela automatização das granjas é o tema da reportagem da Revista do Sindiavipiar edição 63, que traz como destaque a Yamasa e sua dedicação ao setor de ovos. Na reportagem, que ocupa as páginas 30 e 31 da publicação, o empresário Nelson Yamasaki, presidente da Yamasa, destaca o trabalho da empresa que nasceu há 52 anos e se mantém com prestígio no Brasil e em mais 25 países do mundo.

O Sindiavipar, entidade que publica a revista, é representante das indústrias de produtos avícolas do Estado do Paraná, estado brasileiro, aliás, que é o maior produtor e exportador de frango do país. A indústria avícola é uma das bases da economia paranaense e tem na Yamasa um importante parceiro a oferecer sua experiência e produtos de qualidade no embandejamento de ovos férteis.

Confira a seguir a matéria na íntegra, e leia também, em PDF, no link Revista Sindiavipar Edição 63.

GRANJAS AUTOMATIZADAS:

USO DE MÁQUINAS CRESCE NAS GRANJAS BRASILEIRAS DEMONSTRANDO A EVOLUÇÃO DO SETOR

Impulsionada pelas boas perspectivas do mercado e consequente capitalização do avicultor, a automatização nas granjas se tornou um tema incorporado ao dia a dia da avicultura brasileira. O setor de ovos não pode mais dispensar essa tecnologia para atender ao crescente mercado interno desde que a avicultura ganhou o selo de “industrial”.

“O mercado do ovo acena para um panorama de crescimento no consumo interno - e tem tudo a conquistar no mercado externo. E quem ambiciona atender a essa demanda precisa crescer e crescer com qualidade”, analisa o diretor-presidente da Yamasa, Nelson Yamasaki. De acordo com o diretor, no Brasil não é só o grande produtor que investe em automatização. “É cada vez mais frequente vermos granjas de pequeno e médio porte automatizarem suas salas de ovos aos poucos, conforme investem em ampliação de seus lotes de poedeiras”, pontua.

Atualmente, no parque fabril da empresa, localizado na cidade de Rinópolis (SP), as linhas de montagem produzem desde máquinas para classificar 5.400 ovos por hora – ideal para granjas pequenas -, passando por equipamentos que classificam 30.600 ovos/hora – perfeitos para granjas médias que tendem a crescer – e, finalmente, trabalham na fabricação de grandes equipamentos que têm capacidade para classificar de 108 mil a 180 mil ovos/hora, adquiridos por granjas de grande porte, que se destacam por uma produção em alta escala.

Tecnologia

Embora ainda haja muitas granjas que seguem com processos artesanais de produção, é cada vez maior a procura por agilidade na classificação. Nesse sentido, segundo Yamasaki, a escolha adequada dos equipamentos para a sala de ovos permite ao avicultor a redução expressiva de custos e a ampliação da capacidade para atender seus clientes.

As dificuldades com a mão de obra falam muito alto no setor e as máquinas classificadoras e embandejadoras minimizam esse problema oferecendo tecnologia que garante maior qualidade na classificação dos ovos e menores custos para o produtor. “Os produtores buscam constantemente baixar custos, reduzir mão de obra – que está a cada dia mais escassa –, diminuir desperdícios e evitar ovos sujos e trincados”, conta.

Mercado

Nos últimos 10 anos, a avicultura de postura vive uma mudança significativa nos conceitos e sistemas de produção. A melhora na produtividade está ligada diretamente à tecnologia, seja ela nos processos de genética, nutrição, manejo, sanidade ou qualidade de processamento do ovo. “Esse conjunto de tecnologias tem ajudado a indústria a evoluir no mercado interno, com aumento de consumo e melhor imagem junto ao consumidor. Certamente, será também o investimento em tecnologia o responsável por permitir a conquista do mercado mundial com ovos de qualidade e preços competitivos”, afirma Yamasaki.

Ovos férteis

Há alguns anos a Yamasa vem investindo no aprimoramento de suas máquinas de embandeja-mento de ovos férteis, especialmente para os matrizeiros e incubatórios para frangos de corte. O setor cresce dentro da empresa, que investe no desenvolvimento de acessórios importantes para a maior qualidade dos ovos, como o detector de fissu-ras, por exemplo, tecnologia que de-tecta ovos trincados ou fora do padrão, e, portanto, inadequados para a incubação.

Para Yamasaki, a automação é um processo irreversível. “Além de oferecer um produto com melhor qualidade ao mercado, a automação confere agilidade e um nível de pro-dutividade digno de um consumo que só tende a crescer no Brasil”. E nesse setor cada vez mais competiti-vo - seja do ovo comercial ou fértil - a seleção do mercado não perdoa: é preciso estar bem posicionado para se manter à frente.